quinta-feira, 25 de maio de 2017

A melhor maneira de aprender a jogar poker

  Nos últimos meses estava fazendo umas experiências nas mesas de pôker, perdi um dinheiro razoável (mas não lamento pois me diverti) e cheguei à conclusão que eu não sei jogar bem o suficiente para fazer apostas em dinheiro real. Estou jogando de graça com dinheiro fictício para aprender a jogar melhor, a melhor maneira de aprender a jogar pôker é aprender sem perder dinheiro.
  Estou fazendo estatísticas do meu número de vitórias Vs Derrotas, embora ainda não tenha entrado na teoria e colocado em prática. Vou confrontar as estatísticas antes d'eu estudar e depois e ver se realmente muda alguma coisa e só vou voltar a apostar dinheiro real quando minhas vitórias estiverem se sobressaindo sobre as derrotas incontestavelmente. Caso isso não ocorra posso até apostar mas muito de vez em quando.
  Quero realmente aprender, e para aprender eu não preciso gastar dinheiro. Essa foi a grande sacada, não apostar valendo a dinheiro enquanto não aprender as táticas. Pra isso eu posso jogar de graça.

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Dinheiro: é importante ou não?

  Dizem que dinheiro não trás felicidade, o.k., mas precisamos de dinheiro para viver. Se não trás felicidade ao menos trás conforto e isso é bom. Por exemplo, por mais apertado que eu esteja financeiramente e por mais que meu cartão de crédito esteja estourado ainda consigo manter o básico(compra, luz, água e internet) e consigo viver bem assim. A falta de dinheiro nesse caso não me trás grandes transtornos pois tenho preenchidas minhas necessidades básicas, posso ser feliz assim, porém é claro que eu estaria mais satisfeito se tivesse mais dinheiro para fazer coisas não triviais e para isso tenho que pensar em uma forma de ganhar mais dinheiro e cheguei à conclusão que tenho que mudar de emprego.
  Isso pode fazer a diferença entre eu comer arroz e feijão todo dia sem sobremesa e bebendo suco ou comer uma lasanha com sobremesa e bebendo coca-cola. A primeira opção está o.k. mas eu prefiro bem mais a segunda!
  Pesquisei na internet outras vagas de emprego mas todas que olhei que tem o meu perfil tem salário menor que o meu atual ou se é maior pede coisas que eu jamais sonharia em saber. Fora que mandei alguns currículos e não obtive nenhuma resposta. O mercado de trabalho está horrível mesmo. Fora que meu jeito de ser não combina com o de chefes e administradores mesquinhos que querem babacas igual a eles para trabalhar para si, não sou babaca.
  Visto isso vejo que a melhor opção no meu caso é prestar concursos públicos, pois só dependo de mim mesmo para entrar, não dependendo que idiotas me selecionem. Por isso adoro a transparência dos concursos públicos. Além disso, o serviço público (o federal no caso) paga um salário menos injusto. O único empecilho é que não sou apenas eu que penso assim, a concorrência é feroz. Muita gente prestando concursos e para passar vou ter que ser perfeito nas escolhas e não vacilar no estudo.
  Desde 2012 que venho estudando direito administrativo e só agora vejo que amadureci nos meus estudos. Senti um grande amadurecimento, sei o que e como estudar. Se nos próximos concursos eu não passar ao menos vou com força. E se conseguir terei o dinheiro de que tanto preciso e quero.
  Respondendo a pergunta inicial: Dinheiro: é importante ou não? Resposta: Sim, dinheiro: te quero!
  As pessoas me decepcionaram pra car@$#% então vou focar em mim mesmo, na minha própria satisfação pessoal, enquanto todas pessoas fazem questão de fazer eu me sentir mal vou me esforçar pra ganhar mais dinheiro e dar toda satisfação pessoal que eu mereço.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Fazer bem feito Vs ficar tosco

  É claro que o primeiro game de um leigo que nunca tinha feito um jogo na vida vai ficar tosco. Por mais bem feito que seja feito e digamos que o game dependa de uma boa dose de arte, não sou um artista, mas procuro aprender. Quero criar algo pequeno e ver como vai ficar. O problema é que meus desenhos são muito feios, mas mesmo assim vou praticar, e ver se fica minimamente aceitável. E independentemente do resultado, como diz a música do Aerosmith, o que importa é a jornada e não o destino. Vai ser divertido pacas e isso é o que importa.

O tempo que me sobra e o tempo que me falta

  No meio do ano passado comecei a fazer faculdade e veio a bomba: não tinha mais tempo pra absolutamente nada, tive que colocar todos meus projetos pessoais na gaveta e estava fodasticamente com a mente esgotada. No início desse ano tranquei a matrícula e estou pensando em não voltar mais, não quero sofrer à toa. Agora tenho tempo para estudar para os concursos que quero prestar e pretendo também retomar a criação de um game. Só que para eu retomar tudo falta uma coisa muito importante:ânimo.
  Estou fodasticamente mega plus desanimado. As pessoas à minha volta só aumentam a carga nas minhas costas e eu mal consigo viver por causa disso. É impossível concluir seus projetos se você não tiver paz (como diz a música: "é preciso paz para sorrir"), a falta de paz tira-me toda a vontade de fazer as coisas que gosto, mas mesmo assim faço, mas não tenho a felicidade como retorno.
  Sendo assim ,vejo que a chave pra eu concluir meus projetos é eu estar bem comigo mesmo. E eu estou muito longe disso, minha vida é um inferno que só quem já morreu e foi pros quinto sabe como é. Nessa hora a última esperança é que alguém mande uma ajuda sabe-se lá de onde pra acabar com isso. Esperança que já morreu pois a única ajuda que consegui foi de trolls(da vida real, não estou falando de internet não) querendo desestabilizar minha já desestabilizada vida. 
  Vou me esforçar pra ficar bem comigo mesmo (comigo mesmo pois já desisti das pessoas), e estando bem comigo mesmo tudo flui (como a frase filosófica) e eu faço meus projetos com alegria e os termino. Vejo que a chave de tudo está dentro de mim mesmo. Tenho que cada vez mais ouvir mais minha voz interior e ouvir menos as ladainhas e picuinhas das pessoas ao meu redor. Só assim serei feliz e finalmente terminarei meu game e passarei no concurso que quero prestar. Ouvir cada vez mais a mim mesmo e colocar cada vez mais as pessoas terroristas que convivem comigo ao léu. Só assim.

domingo, 16 de abril de 2017

Poker: a maneira mais divertida de perder dinheiro

  Falido eu já estou, então colocar uns trocados no pokerstars pra jogar umas partidas vale pela diversão. Inventei de jogar os heads up, e estava pensando: se o cara conseguir ser lucrativo nessa modalidade, pode largar o emprego e virar profissional (não que eu faria isso).
  Tem dois entraves pra eu me tornar lucrativo: 
  1.  a sorte não ajuda, tipo, parece que eu tenho muito azar (eu até tenho momentos de sorte mas depois vem o azar destruir tudo).
  2.    Os caras que jogam heads up devem ser profissionais e ficam só na tocaia esperando algum fish (eu) ir jogar com eles e ser engolido pelos tubarões, fato constatado ao ver que a maioria deles não permite as pessoas visualizarem seu perfil de jogador no sharkScope.
  Minhas estatísticas foram muito ruins (não tanto assim), tipo, joguei 38 hu, ganhei 14 e perdi 24, sendo que 4 desses 24 eu não contabilizo na minha cabeça pois joguei sem atenção. Enfim, para eu ser lucrativo deveria ser o contrário, mas eu ainda não desisti (minha mãe me chama de teimoso mas já que eu tenho a fama, de vez em quando não custa deixar de ser).
  Essa experiência que eu tive foi só pra ter uma noção de como é a coisa, e a conclusão que cheguei é que eu sempre ganho um bom $$$ mas em seguida invariavelmente eu perco tudo, sempre. Mas estou disposto a aprender e melhorar meu jogo, e parar de ir all in quando tem um draw perigoso na mesa (prometi pra mim mesmo que vou parar com isso).
  Quando tiver um dinheiro sobrando vou separar uma quantia pra fazer meu bankroll, vou aprender mais as técnicas do pôquer, analisar meus adversários e ir à luta. Fazendo uma conta rápida, se eu conseguisse lucrar 60 dólares/dia eu poderia largar o emprego (brincadeira, nunca eu iria fazer isso, até porque algumas pessoas me matariam se eu cogitasse uma coisa dessas mesmo de brincadeira).
  No final dessa jornada eu saberei se vai dar certo ou não, provavelmente eu terei perdido tudo pros profissionais do pôquer, mas mesmo assim terei um sorriso na cara de satisfação por ter tentado e principalmente ter me divertido pra valer.

PS: Eu andei tão puto com a vida por tanto tempo que estou investindo pesadamente na minha diversão e bem estar, o pôquer faz parte da diversão e é um degrau para eu deixar o abismo que entrei para trás. Cada pequena coisa que melhora minha satisfação conta, pois como diz a música:"tem muita gente maluca me aborrecendo enchendo meu saco. O que não falta é tatu pra me levar pro buraco."

domingo, 19 de março de 2017

O peso das obrigações e viva a liberdade

  Até alguns anos atrás eu sentia o peso das obrigações como um fardo, tinha que acordar cedo, estudar, trabalhar, me relacionar... não tinha como fugir disso, a vida era isso e eu tinha que me adaptar a isso (detalhe, nunca me adaptei, sempre fui um peixe fora d'água).
  Tipo, eu acabava me esforçando pra cumprir as metas e obrigações, muitas vezes mecanicamente só pra cumprir a tabela mas te-la completa e se alguma coisa ficava incompleta parecia que o mundo ia desabar na minha cabeça.
  Só que de uns anos pra cá eu mudei essa história, briguei com as pessoas e mudei minha visão de mundo. Ao ver que as pessoas são muitas vezes mal intencionadas e frequentemente me colocam em situações difíceis propositadamente, eu cansei disso e dei um basta. Não sou mais refém da situação, agora eu que mando na minha vida.
  Estava decidindo se saía da faculdade, mas acho que vou só trancar a matrícula para estudar para os concursos que estão por vir e esparecer a cabeça, pois estou muito cansado.

terça-feira, 14 de março de 2017

Decisão para o bem

  Vou sair da faculdade. Estava pensando, agora não me sobra tempo pra nada, nem pros meus projetos pessoais nem para estudar para concurso e eu queria muito estudar para os concursos que estão para sair. Também não  estou contente na faculdade, resolvi que vou trancar a matrícula.
  Quero estudar para o concurso do MPU e da câmara dos deputados mas com a faculdade não seria possível.